Preços do Novo Iphone 5 na Vivo

iPhone 5 na Vivo

A operadora Vivo divulgou os preços do iPhones 5 pré-pagos. Diferentemente de TIM,Claro e Oi, que estão vendendo os aparelhos por R$2.400 (16GB), R$2.700 (32GB) e R$3.000 (64GB), a Vivo está cobrando R$100 a mais em cada um deles, ou seja,R$2.500 (16GB), R$2.800 (32GB) e R$3.100 (64GB) nos dispositivos livres de contrato.

[via @saam]

ATUALIZAÇÃO

Conforme já havíamos divulgado, o iPhone 5 mais barato atrelado a um plano (Ilimitado 3GPlus 400, segundo o leitor Raphael Calintro) na Vivo sai por R$1.450 (16GB). As versões de 32GB e 64GB saem respectivamente por R$1.750 e R$2.050.

[via @saam]

ATUALIZAÇÃO II

Eis uma tabela com os preços dos iPhones de acordo com planos da Vivo, enviada pelo leitor Raphael Calintro:

Tabela de preços dos iPhones 5 atrelados a planos - Vivo

Como o iPad e o iPhone vão inspirar o próximo sistema operacional dos Macs

Como o iPad e o iPhone vão inspirar o próximo sistema operacional dos Macs

5 de junho de 2011

FOTO: Apple, divulgação

Nesta segunda-feira, na conferência anual de desenvolvedores da Apple, um dos assuntos centrais da apresentação de Steve Jobs será o Mac OS X Lion, a versão 10.7 do sistema operacional de computadores da marca.

Com previsão de lançamento agora no segundo semestre, a Apple fala do Lion (Leão, em português) desde o ano passado, então muitas das novidades já são conhecidas, inclusive há uma prévia  em www.apple.com/br/macosx/lion/.

Eu cheguei a usar por alguns dias, há uns meses, uma versão de desenvolvimento da plataforma. Fiz isso mais por curiosidade, para ver como estava ficando. Por não ser uma versão final, mas em construção, ainda estava muito instável.

De qualquer forma, pude ter uma boa ideia. A hashtag no Twitter que bem definiria o Lion é mesmo #iPadfeelings.

Segundo a Apple, a ideia é levar o melhor do iPad para o Mac. O Lion é visivelmente influenciado pelo iOS, o sistema operacional do iPad, iPhone e iPod Touch.

E aí entra uma tendência: sistema operacionais de computadores sendo influenciados por seus irmãos mais novos, os sistemas operacionais de dispositivos móveis. Lembrando: a Microsoft demonstrou recentemente o Windows 8, pensado para telas sensíveis ao toque e com gritante inspiração no Windows Phone 7, o sistema operacional da Microsoft para smartphones.

IMAGENS: reprodução

O que mais me chamou a atenção no Lion foi o Launchpad (imagem acima), inspirado no modo de exibição das apps no iPad/iPhone. Basta um clique no ícone do Launchpad no Dock (a barra de aplicativos) que ele exibe todos os aplicativos do computador. Para mudar de uma tela de apps para outra, como no iOS, é só correr a tela para os lados. Para mudar uma app de lugar, só arrastar. Também traz o conceito de folders (imagem abaixo), como no iPhone/iPad.

O Lion virá com a Mac App Store. É uma loja de aplicativos para Mac (da mesma forma como existe a App Store para iOS, a plataforma móvel da Apple). Nesse caso, não é bem uma novidade já que a Mac App Store está disponível desde janeiro. A propósito, especula-se, pelo que se viu nas imagens do Windows 8 divulgadas pela Microsoft, que o próximo Windows também virá com uma loja de apps.

O FaceTime, hoje disponível nos Macs, foi outro recurso que debutou primeiro no iPhone. Outro recurso bacana no Lion é a possibilidade de visualizar os aplicativos em tela cheia. De novo, lembra iPad. Também o Windows 8, da Microsoft, trará esse modo de exibição de suas apps meio que aposentando o conceito de janelas.

O Lion traz ainda uma nova versão do Mail, com um layout widescreen inspirado na ferramenta de e-mails do iPad.

Também curti o Mission Control, que unifica o Exposé, o Dashboard (onde ficam os widgets) e o Spaces. Como mostra a imagem abaixo, a intenção é oferecer uma melhor ideia de tudo que está sendo executado no seu computador:

Outras novidades do Lion são o AirDrop (facilitando copiar arquivos sem fio de um Mac para outro), Versions (permitindo salvar sucessivas versões dos documentos, o que ajuda a reverter alguma ação depois), Resume (para retomar os aplicativos do jeito que estavam quando foram fechados ou o micro reiniciado) e o Auto Save (que vai salvando os documentos automaticamente enquanto se trabalha neles) e um novo FileVault (garantindo agora encriptação total dos dados).

O vídeo abaixo tem menos de 2 minutos e mostra alguns desses recursos:

 

Em dia de keynote do Steve Jobs, o que esperar?

 

FOTO: Justin Sullivan/Getty Images/AFP

Para quem está acostumado a acompanhar as apresentações de Steve Jobs, presidente da Apple, uma parte mais esperada do “show” é quando ele diz “one more thing” (mais uma coisa). Foi assim que em outras ocasiões ele anunciou o finíssimo MacBook Air, o iPod Touch, o FaceTime no iPhone 4, entre outras novidades (há até uma lista lá na Wikipédia).

Hoje tem apresentação de Jobs na conferência mundial de desenvolvedores da Apple, a partir das 14h (horário de Brasília), e parte da surpresa já foi relevada.

E não é que já se sabe o que está na pauta? Sabe-se até que ele vai lançar um novo serviço.

Vindo da Apple, uma empresa tão repleta de sigilos sobre seus lançamentos, isso é no mínimo atípico.

Em pensar que, quando o iPad 2 foi apresentado, em março, uma das grandes surpresas foi a aparição de Jobs, em plena licença médica para comandar o anúncio. Bem, Jobs continua de licença médica, mas dessa vez não vai ter espanto quando ele subir ao palco.

Além da presença do executivo, a Apple avisou que a pauta do keynote será o iOS 5 (nova versão do sistema operacional para iPad, iPhone e iPod Touch), o Mac OS X Lion (sobre a nova geração do sistema operacional para Macs, confira este outro post daqui do blog) e o iCloud, um novo serviço baseado na nuvem.

O que será que ficará guardado para o “one more thing”?

A verdade é que, apesar do fim dos rumores sobre o lançamento de um serviço de música na nuvem, isso serve de ponto de partida para muito mais especulações. Não vou comentá-las aqui porque procuro falar de rumor só mesmo em último caso, mas, para quem curte, recomendo dar uma chegada no blog BR-Mac.org e participar de um bolão sobre os rumores que há sobre o keynote de hoje do Jobs.

Agora, em vez de cogitar como o iCloud será, o que dá para falar é sobre a importância desse lançamento. A Apple foi a empresa que revolucionou a música digital com o iPod e o iTunes, e tem histórico de parcerias com gravadoras.  Com o iCloud, não tenho dúvidas de que levará a questão da música digital a um novo patamar.

Também é preciso lembrar que outros gigantes já se jogaram nesse segmento. O Google anunciou no mês passado o Music Beta (http://music.google.com) nos Estados Unidos, um serviço que permite fazer o upload de sua coleção musical na nuvem e assim acessá-la tanto do computador quanto de aparelhos com Android.

Outra opção é o Cloud Drive, da Amazon (www.amazon.com/clouddrive/). E para quem acha que está faltando gigantes na área, não dá para ignorar que há rumores de que também o Facebook estaria para entrar nessa briga.

Resta agora esperar para ver o que Steve Jobs dirá logo mais.

Site permite emulador online o tablet iPad

O iPad Simulator é um emulador online para o tablet da Apple. Entrando no site, é possível navegar na interface de um iPad utilizando mouse e teclado.

Alguns aplicativos e funções podem ser simulados no equipamento virtual, como Notes, Maps e o browser Safari.

Questionário online ajuda aspirante a escolher distribuição de Linux

 

O Fórum Internacional Software Livre (fisl) começa apenas em junho. No entanto, quem quer entrar no clima e está pensando em adotar o Linux – mas não tem ideia sobre qual distribuição escolher – pode ter uma boa ajuda no Zegenie Studios. O site fornece uma consultoria gratuita e, com base em perguntas respondidas pelo aspirante a usuário, indica o sistema mais apropriado.

O questionário está disponível em diversos idiomas, incluindo o português.

Novo logo Google Chrome Disponível na última compilação(para desenvolvedores – DEV), o novo logo traz uma arte com traços mais simples e suaves para o navegador Chrome do Google. O Google não forneceu explicação sobre a mudança, mas o visual continua agradável e o que realmente importa é a eficiência do browser.

Nokia admite que descartou Android ao escolher Windows Mobile

Stephen Elop, CEO da Nokia

São Paulo – Elop falou a jornalistas neste último domingo, antes da abertura do Mobile World Congress, em Barcelona, na Espanha. Durante a entrevista, ele forneceu detalhes sobre o acordo que a Nokia fechou com a Microsoft, licenciando o Windows Mobile para uso em seus smartphones. Com esse acordo, a Nokia tende a abandonar o sistema operacional Symbian, que roda nos seus smartphones atuais. Uma questão básica é por que a Nokia optou pelo Windows Mobile em vez do Android. O sistema do Google já é, segundo algumas pesquisas, o número um no mercado de smartphones e continua ganhando participação. Seria uma escolha óbvia.

Segundo Elop, se a Nokia tivesse adotado o Android, o ecossistema da telefonia móvel tenderia a virar um duopólio. Haveria a Apple, com o iPhone, num lado, e a Nokia, com o Android, no outro. “Mas nós queríamos criar uma terceira opção, um desafiante”, disse ele. No início, o acordo entre Nokia e Microsoft deve funcionar como um contrato de licenciamento simples. Ou seja, a Nokia vai pagar à Microsoft para usar o Windows Mobile. Mas Elop diz que a parceria deve trazer outros ganhos para a empresa finlandesa. “Haverá redução de despesas e novas fontes de receita ligadas ao acesso que teremos aos serviços de buscas e anúncios da Microsoft. O ganho financeiro estará na faixa dos bilhões”, disse ele.

A decisão foi mal recebida pelo mercado financeiro. Na sexta-feira, após o anúncio do acordo, as ações da Nokia caíram quase 15%. Além disso, funcionários da empresa ligados ao sistema Symbian chegaram a fazer um protesto contra a adoção do Windows Mobile. Como é ex-executivo da Microsoft, Elop possui um grande lote de ações da empresa americana. Por isso, foi acusado de estar trabalhando em causa própria. Elop, é claro, nega tudo. O que ninguém nega é que a Microsoft deve colher os maiores benefícios desse acordo. Mesmo tendo ganho uma versão completamente nova no ano passado, o Windows Mobile tem se mostrado fraco frente ao Android e ao iPhone. Com o maior fabricante de celulares do mundo ao seu lado, a Microsoft certamente aumenta suas chances.

 

Nokia e Microsoft selam aliança para conquistar mercado de smartphones

Em conferência realizada nesta sexta-feira, 11, a Nokia, maior fabricante de celulares do mundo, e a Microsoft uniram forças para reforçar a presença de ambas no mercado de smartphones e tentar conter o rápido avanço da Google e da Apple.

– Nokia e Microsoft vão unir forças para criar um ecossistema móvel sem concorrentes, com escala global. Agora, é uma corrida com três cavalos no páreo – afirmou o CEO da Nokia, Stephen Elop.

Segundo a companhia finlandesa, a adoção do software Windows Phone 7, da Microsoft, como principal sistema operacional, deixando de lado o MeeGo, sua plataforma própria, vai acelerar o lançamento de novos produtos, além de recuperar a fatia perdida no mercado de celulares para as concorrentes. A Nokia também pretende investir no Bing para o uso de ferramentas e serviços.

Entre as novidades listadas no comunicado oficial disponível nos sites da Microsoft e da Nokia, está a integração da loja de aplicativos e conteúdos da Nokia ao Microsoft Marketplace, facilitando o acesso dos usuários de ambas.

A fabricante finlandesa vem perdendo participação no mercado de smartphones diante doiPhone e de equipamentos com base a plataforma Android. Prova disso é a queda de 41%, registrada em 2008, para 31%, no último trimestre de 2010. A Microsoft, por sua vez, detém apenas 2% do mercado com o Windows Phone. Apesar do reconhecimento de que se trata de uma tecnologia de ponta, a plataforma ainda não conseguiu atrair os olhos do consumidor.

Logo após o anúncio da parceria estratégica com a Microsoft, as ações da Nokia despencaram 10% da Bolsa de Helsinque. À primeira vista, a Microsoft parece sair ganhando com esta parceria, mas, ao mesmo tempo, pode indicar que a estratégia da Nokia para dispositivos móveis falhou.

Assista a conferência, em inglês, no vídeo abaixo:

 

 

Apple vai criar iPhone menor e mais barato?

Por enquanto, notícia é mais um rumor da tecnologia, ao menos pela falta de um anúncio oficial por parte da Apple. No entanto, segundo o site de notícias Bloomberg, dos Estados Unidos, a fabricante estaria trabalhando na produção de um mini-iPhone.

O protótipo do aparelho seria um terço menor que o modelo atual e, para atrair usuários, inclusive da China e da Índia, onde a representação ainda é pequena, e bater as concorrentes, o preço seria um atrativo à parte: US$ 200, sem obrigar o consumidor a assinar um contrato de dois anos com uma operadora. Hoje o iPhone 4 custa US$ 599, sem os serviços.

A redução do valor se deve também ao processador, display e outros componentes similares aos utilizados no modelo atual.

A Apple estaria estudando também a possibilidade de oferecer junto com o “iPhone nano”, como está sendo chamado no mercado extra-oficial,  uma tecnologia universal, com conexão múltipla, que permitiria ao usuário se conectar a diferentes operadoras sem trocar o cartão SIM de seu smartphone. Esta, se der certo, ainda deve demorar a aparecer, com a pressão das operadoras.

Se confirmada a oferta de um modelo “nano” e mais acessível seria uma mudança na estratégia da Apple no mercado de smartphones, já que a fabricante competia na parcela mais alta, sem se preocupar em liderar vendas com produtos de baixo custo.

– Ao invés de focar 25% do mercado global de telefonia móvel, a Apple estaria indo atrás de 100% – afirma Charlei Wolf, analista da Needham & Co. em Nova York, que tem parte das ações da fabricante.

No atual cenário do mercado de smartphones, o Google mais que triplicou o percentual de 32,9%, enquanto a Apple alcançou 16% e agora enfrentará outro desafio com o anúncio da união entre Nokia e Microsoft, feito na sexta.

 

Microsoft dá indicativos de que IE9 está próximo da versão final

Microsoft anunciou nesta quinta-feira, 10, em seu blog, a chamada “Release Candidate”(candidata a lançamento) do navegador Internet Explorer 9, que até então estava na versão beta.


Como o próprio nome sugere, a RC traz as últimas melhorias do produto e seria o prenúncio de que a versão final do IE9 – a mais estável – está prestes a sair do forno. Os números também apontam para uma antecipação. Segundo a Microsoft, a última versão de testes do navegador teve 25 milhões de downloads por usuários do mundo todo.

Você pode baixar a RC pelo próprio hotsite do Internet Explorer 9.

Disponível em 40 idiomas, o IE9 traz uma interface mais limpa, aumento da área de visualização e uma série de recursos adicionais, como proteção antirrastreamento, filtros de ActiveX, controle de downloads, indicador de desempenho dos complementos, além de aproveitar o que já vem agregado às funções do Windows 7. A versão RC também promete mais agilidade aos desenvolvedores através de atualizações para aceleração de hardware, engine JavaScript e ferramentas de desenvolvimento F12, e mais desempenho na hora de abrir páginas na web.

Ainda não há data para liberação da versão final do Internet Explorer 9, mas tudo indica que seu lançamento está próximo.